Os 2 desafios do empreendedor

Os 2 desafios do empreendedor

As empresas possuem dois desafios no mercado atual, o primeiro é atender a demanda de um mercado digital, onde o Google, o Facebook, o Youtube, o Twitter e tantas outras mídias criadas na internet direcionam as estratégias.

O segundo desafio é atender as necessidades humanas, que envolvem experiência, empatia, respeito, autenticidade, hospitalidade, utilidade do produtos/serviço etc.

Na década de 90 tínhamos o rádio, a televisão, a imprensa e a Internet enchendo as pessoas de ofertas, publicidade e informações. Agora, em 2017, estamos testemunhando a volta às relações pessoais, ao atendimento, ao serviço ao cliente, ou seja, a toda experiência humana que podemos vivenciar.

Cada vez mais os sistemas estão presentes no nosso dia a dia, para comprar, falar, escolher, se divertir, trabalhar, nos guiar, nos orientar.

Você que quer empreender, poderá encarar os dois desafios:

  • O digital: criando soluções por meio das tecnologias.
  • O humano: trabalhando com experiência, trabalhos feitos à mão, comidas típicas, boas histórias etc.

A tecnologia é essencial, mas o contato físico também, porque a dedicação às funções humanas, à criatividade, ao senso crítico, a colaboração está longe de ser um trabalho que as máquinas poderão realizar, não a curto prazo.

 O ideal é a união de ambos, por exemplo: os e-commerces são totalmente dependentes das tecnologias para o seu desenvolvimento e marketing. Para qualquer tipo de processo de performance do site, seja para aumentar as vendas, melhorar classificação no Google, impactar mais clientes etc., é necessário usar diversos tipos de softwares e estratégias digitais. Contudo,  todo o investimento pode ser perdido se não tiver como premissa número 1 do seu negócio, o atendimento ao cliente.
Citando Felipe Martins no site do E-commerce Brasil: O glamour do e-commerce é o atendimento ao cliente,

“Imagine uma padaria. Toda a estrutura foi criada, montada e preparada. A vitrine foi destacada e os melhores produtos, expostos. Mas, quando o consumidor entra no estabelecimento, não há ninguém para atender”.

E se você for empreender  no desenvolvimento de softwares (aplicativos, sistemas e afins)?

Supomos que você queira empreender para oferecer plataformas de e-commerce para empresas que desejam vender pela internet. Logo sua área de atuação é B2B, ou seja, empresa para empresa. Onde fica a experiência do consumidor?

A base do atendimento ao cliente permanece, independente do serviço ser voltado para o público empresarial, serão pessoas que irão operar o seu sistema. Oferecer atendimento mais personalizado e focado na real necessidade será o grande diferencial da sua marca. Ser presente nos canais oficiais de atendimento da sua empresa – telefone, e-mail e redes sociais, é um passo para o relacionamento e a fidelização.

Como diz o Felipe Martins no artigo já citado,

“Preparar a equipe de atendimento é, sem dúvidas, fundamental. De nada adianta ter um SAC disponível, mas com péssima reputação ou com má vontade dos colaboradores. Por isso, invista na capacitação da equipe de atendimento. Profissionais pacientes, que conhecem o perfil do consumidor, bem como a tecnologia utilizada pelo e-commerce, são essenciais”.

Eu, Jefferson de Oliveira Marinho, sou uma pessoa que respira tecnologia; usuário de muitos softwares, os utilizo na minha vida pessoal e profissional e procuro sempre estar antenado com as tecnologias mais recentes da web. No entanto, como consumidor, eu quero mais humanização, ainda que trabalhando com tecnologias; eu quero atendimento de qualidade, receber a atenção necessária, perceber que a empresa com qual estou conversando está realmente preocupada em entregar uma ótima experiência. Esse é o meu maior objetivo com os meus clientes, alunos, amigos e família. É claro que eu falho muitas vezes, mas falhar também é humano, assim como também é humano a boa vontade de tentar corrigir as falhas.

Este é um conteúdo autoral licenciado pela licença Creative Commons

Atribuição-Não Comercial CC BY-NC
Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Deixar resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4360