Possibilidades no horizonte – o que você vê?

Por que o horizonte mexe tanto comigo?
Horizonte

Horizonte com dunas de areia em Jericoacoara, Ceará.

Este é um questionamento que me faço com frequência. Não é uma necessidade doentia de alguém com claustrofobia, que precisa amplitude para não passar mal fisicamente. Ao contrário, é algo que não sei explicar racionalmente; ver o horizonte me traz sensações boas, me deixa feliz. Daí também ter uma coleção “Horizontes” no blog, uma tentativa de compartilhar um pouco o que sinto quando vejo esta linha que separa o céu e a terra ou o mar.

Talvez o horizonte seja importante para mim pela influência natal, já que não por acaso nasci em Belo HORIZONTE. Talvez porque tenha a necessidade vital de me sentir livre — sensação que a amplitude, o céu, a brisa e o sol no rosto me proporcionam. Talvez porque sempre que olhe o horizonte pense em possibilidades, escolhas, opções.

horizonte

Linha do horizonte bem definida em Gibraltar.

 

Como assim? Toda vez que vejo o horizonte me pergunto o que há além. Me permito devanear sobre os quatro lados: o que está acima da linha (o céu); o que está abaixo da linha (o mar ou a terra); o que está do meu lado (meu ponto de vista, o que vejo) e o que está do outro lado (o desconhecido).

Talvez esta divisão sirva apenas para acalmar a minha mente, mas em cada uma delas eu viajo nas possibilidades. Será que quem está do meu lado está vendo o mesmo que eu? E os que estão do outro lado, imaginam como eu o que há aqui?

Horizonte

Será o mar? Não! Horizonte em Alter do Chão, no Pará. Praia do Rio Tapajós.

Normalmente penso no meu momento atual e o horizonte me acalma, me dá sempre uma perspectiva positiva do que está acontecendo, me dá esperança, opções, renova o meu ânimo, estimula minha criatividade trazendo possibilidades antes não consideradas.

E você, quais possibilidades vê no horizonte? Compartilhe com a gente!

Este é um conteúdo autoral licenciado pela licença Creative Commons

Atribuição-Não Comercial CC BY-NC
Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Deixar resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4680