Problemas, problemas, problemas. Qual o tamanho do seu Problema?

Problemas, problemas e mais problemas… Quem é que não tem problemas para resolver? Qual o tamanho do seu problema? Tem para todo gosto e tamanho, pequeno, médio ou grande. Seja de ordem pessoal, profissional, social ou nos negócios, nos deparamos com problemas cotidianamente; resolver ou deixar para lá depende primordialmente de você. É assim mesmo, não tem escapatória. Há os que digam que os problemas se resolvem sozinhos, mas vai que demora…

Antes de nos aprofundarmos, um primeiro esclarecimento se faz necessário. Existem problemas que precisam de vários esforços para serem resolvidos ou até mesmo nos deparamos com limites que não conseguimos ou podemos transpor. Sabe quando a solução não depende só de você? Então… faça sua parte do mesmo jeito e procure um mediador, negociador, guru que te ajude a solucionar  sua questão. Vale a pena o esforço.

Agora vamos nos concentrar em problemas em negócios. Aqui vai a primeira dica. Uma das práticas comuns para resolver problemas é dividi-los em partes e tentar atacar pedaço por pedaço de um problema, transformado um problemão em pequenos problemas. Lembra daquele ditado de “comer um elefante aos bifes”, é esse o caminho. Uma metodologia que trata dessa divisão do problema que mais gosto é de Bruno Munari, que está em seu livro “Das Coisas Nascem Coisas”.

Parte desta publicação sugere um método simples para resolver problemas direcionados ao desenvolvimento de produtos. É legal consultar e perceber que o método pode ser aplicado em outras situações como formatação de negócios e serviços.

Eu adoro o jeito que ele escreve e acho uma leitura inspiradora para quem quer transformar problemas em negócios ou agregar valor ao seu produto ou serviço.

Um segundo ponto com relação aos problemas é que podemos até desabafar, reclamar um pouco, mas para buscar solução é necessário mudar da “lamentação” para ação. Ficar com aquela postura… “ó vida, ó céus, ó azar” não traz exatamente o resultado necessário.

Um terceiro ponto, pude observar recentemente. Percebi uma postura diferente diante dos problemas em negócios, aparentemente positiva com ações rápidas sobre a resolução de problemas, com o discurso “eu faço, eu consigo, eu já resolvi”. Se você realmente conseguiu, excelente! Excelente mesmo! Mas algumas vezes analisamos problemas com um olhar superficial, ou só considerando o “nosso” ponto de vista. Cuidado, às vezes, um olhar de fora, do consumidor ou um pouco mais aprofundado, pode apontar possíveis causas do problema, podendo assim contribuir para a solução, ou pelo menos para sua visualização.

Como é difícil falar de problema! Mas não tem jeito, já sabem. Com essas e outras eu também tenho alguns problemas aqui para resolver e dividindo, me aprofundando, pedindo opinião às pessoas certas, também preciso correr para resolver os meus. Espero que a indicação de leitura possa te inspirar da mesma maneira me inspirou, e parta para a ação também… Um abração e até o próximo texto.

Referência:

MUNARI. B. Das coisas nascem coisas. Martins Fontes: São Paulo. 2. ed., 2008.

 

Este é um conteúdo autoral licenciado pela licença Creative Commons

Atribuição-Não Comercial CC BY-NC
Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Deixar resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4163