“Ver para crer”! A descrição não supera a experiência!

Com a facilidade de acesso à informação nos dias atuais, estamos sempre buscando referências para nossas ações. Buscamos recomendações de produtos, espetáculos, serviços, presentes, investimentos, profissionais e, também, de roteiros de viagem.

Seja por conta própria lendo em um blog, conversando com um consultor de viagens, vendo uma revista ou guia sobre determinado local, não devemos perder de vista que aquilo ali descrito reflete apenas a perspectiva (inclusive do ângulo da foto) do autor; afinal, é impossível uma única pessoa cobrir todas as possibilidades, todas as perspectivas de um determinado local!

Então não devo levar em conta estas informações e perder meu tempo com buscas??! Não!!! Apenas sugiro que não tire conclusões precipitadas. Busque diferentes fontes para ter acesso a um maior número de pontos de vista dos locais que deseja conhecer. Provavelmente você irá se identificar com alguns depoimentos mais do que outros, por afinidade de estilo e objetivos de viagem – mas não deixe de ler outros.

Estas informações podem lhe ajudar a escolher quando há dúvidas sobre o destino para a próxima viagem; sobre quais lugares priorizar dentro da área escolhida – dependendo do propósito, interesse pessoal e até mesmo da verba disponível.

Mas, se você tem algum destino que é um sonho, que toca seu coração e alimenta suas fantasias, não deixe de ir conferi-lo pessoalmente! Utilize as informações úteis como orientação, mas permita-se ver e vivenciar a experiência para tirar suas próprias conclusões.

Aí você poderá somar seu ponto de vista único a tantos outros ajudando aos interessados em conhecer o mesmo lugar a tomar suas próprias decisões. É isto que busco quando compartilho minhas impressões de viagem no blog.

Recentemente viajei para a Índia, país que sonhava conhecer, mas sobre o qual também já tinha lido e escutado muitas coisas negativas. A miséria, a sujeira, o cheiro do rio Ganges, cenas horrorosas que desanimavam quem lesse. Mas o chamado do sonho era maior e, pessoalmente, o que vi não me decepcionou, ao contrário, muitas coisas foram diferentes do que já tinha ouvido ou imaginado. O Ganges não cheirava mal, não havia cadáveres boiando, a devoção das famílias entrando no rio sagrado para se banhar foi comovente, é um povo acolhedor com olhar doce, os animais andando livremente pelo caminho. Havia sujeira, sim. Miséria, sim. Mas nada que não vejamos em nosso país e que tenha me impedido de ver além, de ver a beleza de uma cultura diferente, de sua geografia, de sua história, de suas religiões, da devoção de um povo, de uma culinária marcante.

Por isto, acredito que não só em viagens, mas em diferentes situações, as informações e impressões dos outros são importantes para nos ajudar a preparar e organizar. Mas nada supera a experiência, o “ver para crer”! E você, o que acha? Compartilhe conosco nos comentários.

 

Photo by Clay Banks on Unsplash

Este é um conteúdo autoral licenciado pela licença Creative Commons

Atribuição-Não Comercial CC BY-NC
Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Deixar resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4279